COISAS ASSIM

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=28819474


Coisas assim, sem como explicar. Pessoas matando, pessoas morrendo, pessoas sofrendo. Omissão, descaso, corrupção.

O Homem criado à imagem e semelhança de Deus perde os valores morais, o respeito a si mesmo e à vida humana. Perde o Amor, abraça o ódio, a revolta e a vingança. Opõe-se ao seu semelhante em combates cruéis com cheiro de sangue e sabor de morte. Despreza a sociedade sem se dar conta que agindo assim se despreza também. Rompe relações sociais e não percebe que está rompendo também com as suas possibilidades de se impor como cidadão e ser capaz de exercer seu papel como pessoa de Bem. De trabalhar em prol de dias melhores, de uma vida melhor. De um mundo melhor.

Esbraveja justificando seus atos covardes pela ausência de oportunidades sociais e necessidades não atendidas. Mentira. Esquece que cada homem é senhor do seu destino quando lhe é dada a possibilidade de fazer escolhas. Neglicencia o fato de que quanto mais corretas forem estas escolhas melhor será o seu destino. Mata alegando que as suas vítimas são as responsáveis pela situação marginal em que se encontra. A sociedade é cruel, diz. A sociedade o oprime, rejeita, despreza, grita. Ódio social, ódio, ódio.

Disse sabiamente o filósofo Jean Paul Sartre: “Não importa o que fizeram de ti. Importa o que fizestes com o que fizeram de ti.”

Colocar-se como vítima de um sistema e usar da violência para se impor a este sistema é, no mínimo, burrice. É escolher viver acuado, escondido como um rato, prisioneiro da própria sorte.

Tenho pensado nestas questões e conclui que alegar ausência de políticas sociais como uma das principais causas para a escalada a criminalidade é discurso vazio. Quem é de matar vai matar. Quem é de corromper vai corromper. Quem é de ser corrompido há de se corromper. Se assim não fosse, como justificar tantos crimes hediondos cometidos por pessoas socialmente inseridas, com direito à educação, saúde e lazer?

Não precisamos ir longe para encontrar a resposta. O cerne da violência está dentro de cada indivíduo, na sua voluntária inversão de valores éticos e morais. Está na ânsia do ter, na busca do máximo de prazer com o mínimo de esforço.

No reino animal ostentamos o triste título da única espécie que mata seu semelhante não apenas por questões de sobrevivência. O Homem mata para ter o que não tem. Mata porque não gosta de alguém. Mata porque alguém não gosta dele. Mata profissionalmente. Mata por matar.

Dentro desta perspectiva o futuro da Humanidade há muito tempo está ameaçado e ninguém parece se importar com isto. Olha-se o problema de fora, como se nós mesmos não fizéssemos parte deste universo. Como se cada ameaça ao todo não significasse uma ameaça a cada indivíduo em particular.

As coisas não vão bem para o nosso lado.